CONTABILIZANDO A LEITURA - NÚMERO 3, DE 13/03/2001

CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES COM CARTÃO DE CRÉDITO

Aparentemente a contabilidade das empresas Administradoras de Cartão de Crédito não tem grau elevado de dificuldade. Entretanto, pelo pouco material disponível sobre o assunto, o estudo da contabilização das operações dessas empresas representa um belo horizonte para desenvolvermos o raciocínio contábil. Vamos nesse número do Contabilizando a Leitura, desenvolver uma compra através de cartão de crédito, passando pelos agentes econômicos envolvidos na operação, descrevendo as vantagens para cada um e demonstrando a contabilização em cada agente.

Vamos fazer um exemplo didático, utilizando uma Administradora de Cartão de Crédito denominada BOTAFOGO, que administra um cartão com a bandeira VISA, conhecido como Cartão Botafogo Visa. Este exemplo contou com a revisão sempre competente do meu amigo Evandro Silva, um contador especialista na matéria e que faz este trabalho crescer em qualidade.

Temos 5 agentes nesta operação: o CLIENTE, o LOJISTA, a ADMINISTRADORA DO CARTÃO, um BANCO e a OPERADORA VISANET. Vamos imaginar um cliente fazendo uma compra numa loja de roupas com utilização do cartão de crédito Botafogo Visa, no valor de R$ 100, parcelado em 4 vezes sem juros, sendo pago no vencimento do cartão apenas 40% da fatura. Veja que no vencimento, a fatura foi de R$ 25,00 e o cliente pagou apenas R$ 10,00.

Vamos analisar a situação de cada agente, para entendermos os ganhos e as perdas na operação:

O CLIENTE tem um benefício na operação que é poder efetuar sua compra de maneira facilitada através da utilização do cartão de crédito, o que diminui consideravelmente a burocracia do pagamento através de cheques e evita que o mesmo tenha que andar sempre com dinheiro no bolso para efetuar seus pagamentos. O cliente ainda parcela a compra feita em 4 vezes sem a burocracia de mostrar documentos, esperar aprovação do crédito, ligações telefônicas para familiares e amigos, entre outros constrangimentos. Para aproveitar este benefício da utilização do cartão de crédito, o cliente tem uma despesa com a anuidade, representando o serviço prestado pela Administradora.

O cartão de crédito pode ser utilizado pelo cliente de duas formas básicas: por conveniência e crédito rotativo.

O uso por conveniência é aquele em que o cliente efetua todo o pagamento na data do vencimento, não incorrendo em cobrança de taxas e juros para financiamento do seu saldo devedor. A conveniência minimiza a necessidade de andar com dinheiro na carteira, permite ao usuário adiar um pouco o pagamento das mercadorias e serviços e estabelece um registro favorável de pagamento, que é importante nas avaliações de crédito.

Já o crédito rotativo é aquele em que o cliente não paga o valor total de seu extrato no momento do vencimento da fatura, aceitando a partir daí que a Administradora do cartão procure uma instituição financeira para financiar seu saldo devedor. Os usuários do crédito rotativo tem as mesmas vantagens da conveniência, mais uma que é o aumento da sua capacidade de comprar mercadorias e serviços sem a burocracia envolvida na obtenção de um empréstimo pessoal. Ademais, o portador de cartão de crédito tem considerável flexibilidade para definir qual a parcela que vai ser paga. Entretanto, esta flexibilidade deve ser usada com bastante critério, para não transformar uma obrigação relativamente pequena numa dívida de enormes proporções que supere a capacidade de pagamento do cliente. As taxas do crédito rotativo são as mais altas do mercado, pois uma vez emitido o cartão para o cliente, o contato entre Administradora e cliente torna-se raro, o que dificulta a atualização do cadastro desse cliente, aumentando o volume de créditos que não são recebidos, gerando altos índices de inadimplência. Assim, a explicação para as altas taxas de juros e o elevado índice de inadimplência compara-se com a propaganda dos biscoitos Tostines: os juros são altos devido a inadimplência ser alta ou a inadimplência é alta devido a elevada taxa de juros?

O LOJISTA necessita do cartão de crédito para fazer crescer suas vendas. Embora o recebimento demore um pouco a acontecer, em média 30 dias, o lojista tem a certeza do recebimento. No nosso exemplo, a loja de roupas vendeu um produto por R$ 100 e vai receber 4 parcelas de R$ 24 cada da Visanet (que por sua vez, irá receber da Botafogo Administradora de Cartões de Crédito). Para o estabelecimento comercial é uma operação bastante vantajosa, pois a venda à prazo atrai o cliente para efetuar a compra na sua loja sem gerar custo com a montagem de uma estrutura de crédito para aprovação, consultas diversas e ainda poderia correr o risco do não pagamento por parte do cliente. Ao vender utilizando o cartão de crédito, mesmo à prazo, o estabelecimento comercial garante o recebimento do valor da venda, deduzido de pequena comissão paga para a empresa que administra o cartão utilizado.

A contabilização do lojista deve ser a seguinte, imaginando uma comissão de 4%.

 

No momento da venda:

Débito: Contas a receber   96,00

Débito: Despesas financeiras   4,00

Crédito: Receita de vendas 100,00

 

Veja que o lojista apurou uma receita de R$ 100, referente a venda da mercadoria, com uma despesa financeira de R$ 4, representada pela comissão da empresa que administra o cartão de crédito recebido como forma de pagamento. Por outro lado, a Administradora do cartão irá receber da operadora do cartão, no caso a VISANET, a informação que a compra foi efetuada, para depois providenciar o pagamento que será repassado ao lojista.

A utilização do cartão de crédito tem sido de grande utilidade tanto para os clientes como para os lojistas. Para os estabelecimentos é vantajoso efetuar a venda através do cartão de crédito, pois trata-se na verdade, de uma venda à prazo, mesmo que a operação não seja parcelada, o que facilita o acesso as compras por parte do consumidor. Caso a loja resolvesse vender à prazo, mas sem o uso do cartão de crédito, deveria montar um departamento de crédito, o que certamente teria um custo superior a comissão paga para as administradoras.

A OPERADORA do cartão, no caso a VISANET, apenas faz o processo de intermediação entre a Administradora do cartão de crédito e o estabelecimento que efetuou a venda. Na verdade, a operadora é a maior beneficiada com a operação, pois ela recebe uma parcela por cada utilização do cartão de crédito com sua Bandeira. Esta parcela representa uma receita para a Visanet e uma despesa para a Administradora do cartão.

Vamos efetuar a contabilização na VISANET, com a parcela cobrada por operação de R$ 0,12.

Débito: Disponibilidades                          0,12

Crédito: Receita de prestação de serviços 0,12

 

Veja que a VISANET tem uma parcela da comissão pela utilização do cartão. Essa parcela refere-se a utilização do seu nome e da sua estrutura para agilizar e alavancar as vendas das lojas. Hoje em dia, poucos estabelecimentos não aceitam pagamentos com cartão de crédito. Até os supermercados que demoraram a entrar na linha dos cartões de crédito, atualmente estão totalmente integrados ao sistema. Além desta receita, as operadoras ainda cobram uma taxa de utilização trimestral pelo uso de sua marca nos cartões.

A ADMINISTRADORA DE CARTÃO DE CRÉDITO é uma empresa prestadora de serviços, que basicamente atende os clientes e os estabelecimentos, prestando serviços específicos para cada um.

O serviço prestado ao cliente é o uso do cartão de crédito, de sua emissão, para compra em diversos estabelecimentos. Mas, para emitir um cartão de crédito e liberar seu uso para o cliente, as administradoras devem analisar com cuidado os dados cadastrais do cliente, pois estão na verdade, abrindo uma linha de crédito para o mesmo. As empresas que administram cartões de crédito, em linhas gerais, se associam a um Banco, com o qual fazem um convênio, abrindo nesta instituição financeira uma conta para financiar o cliente em caso de pagamento parcial das faturas mensais e em caso também de compras parceladas com juros. Pela prestação deste serviço, as administradoras de cartão de crédito cobram anuidades de seus clientes, que normalmente são cobradas em 3 vezes e devem, pelo princípio da COMPETÊNCIA, ser apropriadas ao longo dos 12 meses em que o serviço está sendo prestado. Portanto, se a Administradora cobra R$ 12,00 de anuidade de um cliente, com o qual assinou um contrato em 01/01/2000, esta receita deve ser apropriada ao longo do ano, a razão de R$ 1,00 por mês.

Já o serviço prestado ao estabelecimento é a facilidade criada para a venda através da utilização do cartão de crédito. Por este serviço, o estabelecimento paga a comissão, que pertence a Administradora. É importante ressaltar que as empresas Administradoras de cartões de crédito somente tem relacionamento financeiro com o cliente até o momento do pagamento da fatura. Caso o cliente não efetue o pagamento total de sua fatura, a Administradora busca recursos, através de um Banco, para financiar este cliente, que passa portanto, a ser devedor deste Banco e não mais da Administradora.

Vamos efetuar a contabilização da empresa Administradora de cartões de crédito:

 

No momento do recebimento da informação, através da Visanet:

Débito: Créditos operacionais                              100,00

Crédito: Valores a pagar a Visanet                                 96,00

Crédito: Receita de prestação de serviços de comissão 4,00

 

No vencimento da obrigação com a VISANET, a Administradora efetuará o seguinte lançamento:

Débito: Valores a pagar a Visanet 24,00

Crédito: Disponibilidades                  24,00

 

Pelo pagamento, para a Visanet, da taxa por operação efetuada.

Débito: Despesas de taxas com operações Visa 0,12

Crédito: Disponibilidades                                          0,12

 

No vencimento da fatura, com o cliente pagando apenas 40% do seu saldo devedor de R$ 25,00:

Débito: Disponibilidades (recebimento do cliente)                                           10,00

Débito: Disponibilidades (recebimento do Banco, referente a parte financiada) 15,00

Crédito: Créditos operacionais                                                                            25,00

 

No exemplo em questão, a empresa Botafogo Administradora de cartões de crédito possuía um direito, referente um valor a receber do cliente, de R$ 100,00 , enquanto contraiu uma obrigação, representando o valor a pagar a Visanet de R$ 96,00, apurando uma receita na operação de R$ 4,00. Esta receita de comissão representa o ganho da Administradora com a utilização do seu cartão de crédito para realizar a venda no estabelecimento. Veja que no primeiro mês, a Administradora desembolsou R$ 24,00 e recebeu R$ 25,00, ou seja, realizou R$ 1,00 da receita gerada (R$ 4,00), sendo que esta receita será reduzida pelas despesas pagas à Visanet pela utilização da sua Bandeira e pelas despesas administrativas e de pessoal para montar o resultado da Administradora do Cartão.

O BANCO entrou no processo no momento em que o cliente pagou apenas parte do seu cartão no vencimento do mesmo. Como a Administradora de Cartões de Créditos não tem autorização do Banco Central do Brasil para efetuar empréstimos e financiamentos, deve passar esta operação para uma instituição habilitada a fazê-lo. O Banco, nesse caso, cobra juros de mercado e financia o devedor do cartão até a data do próximo vencimento. Neste exemplo, vamos lembrar que o cliente pagou apenas 40% da fatura e financiou os outros 60%, com uma taxa mensal de 10%.

 

Vamos aos lançamentos contábeis desta operação no Banco:

Débito: Operações de crédito - Carteira de Empréstimos 16,50

Crédito: Rendas a apropriar                                                   1,50

Crédito: Caixa                                                                         15,00

 

Fechamos o raciocínio chegando a algumas conclusões:

O cliente comprou Roupas num estabelecimento comercial com cartão de crédito Botafogo Visa, no valor de R$ 100,00 em 4 vezes sem juros;

O estabelecimento comercial vendeu a mercadoria por R$ 100,00 e pagou uma comissão pela utilização do cartão de crédito para efetuar esta venda de R$ 4,00. Receberá R$ 96,00 em quatro parcelas de R$ 24,00, independentemente do pagamento ou não por parte do cliente;

A Operadora do cartão recebeu taxas referente a utilização de sua Bandeira pelo estabelecimento comercial para efetuar sua venda;

A Administradora do Cartão prestou serviços ao cliente pela emissão e administração do cartão, sobre a qual recebeu receitas de anuidades e ao lojista pelo credenciamento do mesmo para recebimento do cartão nas suas operações de vendas de mercadorias.

O Banco concedeu um empréstimo para esse cliente que no vencimento da sua fatura pagou apenas uma parte dela.

Enfim, os cinco agentes envolvidos tiveram seus benefícios econômicos e financeiros na operação de compra da roupa por parte deste cliente no estabelecimento comercial. Poderíamos afirmar, num primeiro instante que bastaria ao cliente ter ido com dinheiro e comprado a mercadoria e apenas ele e a loja estariam envolvidos na operação, saindo os outros agentes econômicos. Mas, sabemos da importância do crédito para o crescimento da economia, além de que cada vez mais tornam-se sofisticadas as formas de pagamento visando facilitar a todos a adquirir bens à prazo.

Este assunto é bastante amplo para ser discutido neste espaço reduzido. A contabilidade de operações com Cartões de Crédito representa algo bem interessante com suas variáveis e riqueza de detalhes. Infelizmente pouco se tem de material escrito sobre o tema. Espero ter contribuído um pouco neste pedaço da contabilidade que é bastante promissor, mas ainda tão pouco explorado. Aquele abraço e até a próxima. Mandem sugestões...

 

Paulo Henrique

 

"Há uma luz no fim do túnel e não é um trem na contramão.Há um tempo certo para tudo, para tudo uma razão". Humberto Gessinger